Serra do Corvo Branco

Serra do Corvo Branco
Serra do Corvo Branco

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

CARNABIKE 2018


Olá Galera
Tradicionalmente desde 2010 nos dias de carnaval participamos do Carnabike, que é um cicloturismo nos dias de carnaval, este ano a partida foi em Irai a Nonoai no sábado, Nonoai Seara no domingo, Seara Aratiba na segunda, terça deslocamento para casa com a van.
Então vamos aos fatos.

Sexta feira 09 de fevereiro de 2018 cedo da manhã, olho para fora e vejo um dia feio, nuvens escuras resolvo não ir pedalando, mais tarde chimarreando vejo que o tempo não esta tão ruim e me visto, pego a speed e parto rumo a Irai, distante 180 km de Passo Fundo, lugar aonde teria o início o Carnabike, saio rumo Pontão, Ronda Alta, Planalto e Irai, o que não esperava era o vento desde Pontão e os últimos 10 kms de chão e um pedaço menor de pedras irregulares, tipo um paralelepípedo, nunca tinha andado tão devagar, chego em Irai a tardinha, o pessoal que veio de Van saindo de Passo Fundo as 16:30 chegam a noitinha.
Sábado partimos para executar o trajeto elaborado pelo Fernando Campanholo e Rogério Bortolon Silva, logo na saída um ponte interditada pelos galhos trazidos por uma enxurrada, logo achamos uma alternativa e seguimos, trecho com muitas subidas, mas de um visual incrível, o rio Uruguai e Passo Fundo são muito belos, valeu cada subida. Almoço sanduíches, vários tipos de bebida, frutas etc. Levada pela van que estava nos apoiando.









No domingo tudo normal, uma boa descida de início até a hidroelétrica de Monjolinho.


Depois o normal muitas subidas, quase 5000 de altimetria no total.


Neste dia fizemos um PL na beira de um córrego muito limpo, ficamos algumas horas ali, pés nágua, e cervejinha gelada.


Que cama confortavel.


Depois passamos pelo Goioen, lugar muito bonito com a junção dos rios, o pessoal dali tem propriedades junto ao rio, como fizemos aqui nos nosso Capingui e Ernestina, muitas lanchas, jets e tc.


Chegada com chuvaCeara, chegamos tarde, fomos diretos a um restaurante e cama.
Dia seguinte chovendo, preferi não ir pedalar, mas depois de muita insistência mudei de idéia, ainda bem foi um dia mais tranquilo, pouca subida até Ita, tiramos fotos junto as torres da igreja, depois almoço no Balsieiro, lugar tipo tropeiro campones, um ótimo risoto, la embarcamos as bikes e encerramos o Carnabike 2018, já na espera de 2019.







quinta-feira, 3 de agosto de 2017

PEDAL SONHADO

Poucos dias depois de uma viagem a negócios, no trecho entre Carazinho - Não Me Toque, RS 142, voltei a me imaginar fazendo um pedal por esta estrada que me agrada muito, pois ela é sinuosa o que a tira da mesmice das retas, e está em uma região admirável com muitos lagos, lavouras com suas cores verdes, amarelas e o marrom da terra,  e por fim ao longo da estrada arvores,  tuneis de  árvores, que abunda em boa parte do percurso.
Dai pensei nos contras de novo:
Um problema muito grande, sem acostamento, e em alguns lugares com pedras pontiagudas e gramas.
Primeira decisão  e difícil SPEDD ou MTB?
Sentido Horário: Passo Fundo, Tio Hugo, Não Me Toque.
Anti Horário: Passo Fundo, Carazinho, Não Me Toque.
Dia: queria quarta feira em homenagem ao Pedal Na Noite, mas as previsões diziam chuva.
Parceira? Melhor é sozinho fica tudo sob um prisma só.
E se não estou tão bem como estou me sentindo, se dá uma zebra?
Afinal é quase um Audax de MTB
Mas então fui, adrenalina, e seja o que Deus quiser.
Terça feira dia 01 – 08 – 2017, parti sentido horário pois achei que era melhor opção para lidar com altimetrias. Depois das 08:00hs já estava na bike, bagagem numa pochete pouco peso e fui,  focado na média até tio Hugo, cheguei com 20 km/h, fique feliz, pretendia chegar pelas 16-17 hs em casa, estava no tempo.
Saio da RS 223, para ir em direção a Victor Graeff, aonde almoço, restaurante simples mas super gostoso, o restaurante foi ou é uma casa, ao lado um pátio gramado com pinheiros e outras arvores cheia de pássaros cantando, momento tranquilo.
Depois do almoço uma visita na praça “mais bonita do Brasil”, umas pedaladas entre as inúmeras figuras esculpidas nas plantas e bora pedalar. Estava no ponto da menor altitude, 380m acima do nível do mar e agora era trecho que ia percorrer era a de maior ganho de altitude até chegar em casa aonde estamos a 700m do nível do mar.
Ai que veio a surpresa, o vento, forte contra, o que agravou a subida, os 11 km me roubou muito tempo, cheguei em Não Me Toque mais tarde que pretendia.
Parti na sonhada estrada, mas o atraso não permitiu muito desfrute, mas fiz algumas fotos legais e achei um pomar de laranjas, sem faca dificultou degustar as laranjas colhidas na hora.
Cheguei em Carazinho meio devagar, pela primeira vez um gel, coca, cafezinho e chocolate, outro gel na metade restante do trecho, e toquei legal até PF, sem não registrar um dos mais lindos pôr do sol que vi.
CALDO DE CANA EM ESQUINA PENZ

CHEGANDO EM TIO HUGO



CHEGANDO 



VICTOR GRAEFF











VERÃO

LOCAL DAS LARANJAS



TREVO DE CARAZINHO
JÁ PERTO DE PASSO FUNDO



UM POUCO ANTES DO PRIMEIRO TREVO DE PASSO FUNDO